Por que Rosas de floricultura não têm perfume?

E nem efeitos medicinais

 

Você sente o perfume das Rosas? Ouve o que elas têm pra dizer?

Alguns discordam levemente do Cartola.

As Rosas falam, para quem sabe ouví-las.

 

Eu, que as cultivo do jeito natural… acabo ouvindo muitas histórias.

Ouço sobre o valor de se viver os ciclos.

Vejo os instintos em resposta a cada nuance do viver… ao permitir que as Roseiras sintam verdadeiramente o ambiente onde habitam.

Permito que sintam o calor de um dia de sol. O frio das noites de inverno.

Que sintam sede em alguns momentos e em outros mergulhem nas águas do verão.

E é quando elas passam por cada um desses momentos que a sua preciosidade se mostra, em forma de aroma & química medicinal.

 

 

Rosas orgânicas colhidas em nosso jardim medicinal.

 

 

De onde vêm o perfume das rosas?

 

Quem já sentiu o aroma de uma Rosa de floricultura, ou melhor, quem já percebeu a ausência de perfume nelas, testemunhou, ainda que sem saber, o resultado da vida artificial de uma Roseira.

Ao cultivar as Rosas em um ambiente controlado, como as estufas, priva-se das plantas o contato com as variações de ambiente. Logo, cria-se para elas uma situação estagnada, onde a planta não precisa criar nenhuma estratégia de adaptação e sobrevivência.

Ao utilizar nelas os venenos, para evitar as pragas, elimina-se os estímulos para que as Roseiras produzam as suas próprias ferramentas de defesa.

Essa vida “artificial”, com o único propósito de gerar Rosas belas, é um método de cultivo que acaba com qualquer possibilidade de que a Rosa tenha perfume e propriedades medicinais. E ainda acrescenta um potencial de toxicidade à saúde de quem tiver contato com essas Rosas, devido ao uso de fertilizantes e pesticidas agressivos durante o cultivo.

Já no cultivo orgânico e na vida selvagem… as Rosas têm a oportunidade de criar os metabólitos secundários. Esses metabólitos são o que conhecemos como aroma, perfume, óleo essencial, hidrolato (água de rosas).

 

Rosas orgânicas cultivadas, colhidas e desidratadas aqui na ÂNIMA. Quando uma planta é cultivada de maneira saudável e desidratada seguindo as técnicas adequadas, ela preserva em si os aromas,  a cor e as propriedades medicinais.

 

 

Rosas de floricultura não têm perfume porque não possuem Ânima

 

Os metabólitos secundários são aqueles que não são essenciais para a sobrevivência de uma planta, mas que têm uma importância secundária. São produzidos por uma planta devido a algum tipo de necessidade. Não é somente a Roseira que os produz, mas várias plantas.

Essas necessidades podem ser:

  • defender-se do ataque de um predador
  • atrair polinizadores
  • adaptar-se a situações estressantes e conseguir sobreviver a elas (como o calor, sede, frio, excesso de água, vento)

 

A vida autêntica é assim, repleta de situações inóspitas. E é a capacidade de uma planta de se adaptar ao ambiente e sobreviver as suas variações que faz com que a sua preciosidade seja criada!

Roseira que não sofre algum tipo de estresse não é medicinal, não é perfumada. É, no máximo, bela… Uma beleza sem essência.

 

Assim como para nós, uma vida que não nos exija resiliência é uma vida sem sabedoria.

O espírito de uma planta é o seu óleo essencial, sua ânima. E só existe porque alguma situação difícil foi vivenciada e superada.

E a sabedoria, para nós, pode ser considerada como um óleo essencial: a nossa essência.

 

Quando você tiver contato com uma Rosa selvagem, ouça o que ela tem a dizer!

Sua história é contada através do seu perfume natural…  E se ele existe, é porque muita vida foi vivida.

 

 


 

 


Obs. 1: Aqui na Escola de Farmácia natural, não recomendamos a utilização de Rosas de floricultura para banhos e finalidades medicinais/alimentícias/cosméticas.

Além de não possuírem qualquer efeito medicinal ou propriedade aromática, essas Rosas podem estar contaminadas por:

  • venenos
  • conservantes
  • essências sintéticas (utilizadas para “disfarçar” a ausência de aroma natural)

 

Obs. 2: a explicação sobre a geração de metabólitos secundários (propriedades medicinais e aromáticas) é válida para todas as plantas medicinais.

Obs. 3: Não utilize para finalidades medicinais plantas cultivadas por métodos de cultivo convencional (cultivo em larga escala, com uso de pesticidas e agrotóxicos). Quer saber mais sobre quando uma planta pode perder suas propriedades medicinais? Veja aqui nesse post.

Veja mais:

Comentários

4 comentários em “Por que Rosas de floricultura não têm perfume?
    • Ânima on

      Ficamos felizes em saber disso, Mariana! É sim, muito bom nos conectarmos com algo que está lá em nosso interior. Essa força e sabedoria interna são o tesouro que cada um tem. Um abraço!

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


se inscreva na newsletter
e receba cartas perfumadas

Newsletter

Eu sou daquelas pessoas que adora escrever uma carta à mão.

Quem já recebeu minhas caixas aromáticas sabe disto.
E na newsletter não podia ser diferente.

Gosto de escrever cartas digitais, pra serem lidas com uma xícara de chá ou café.

É um convite à pausa.

Aqui você vai encontrar cartas de memórias perfumadas, coisas do dia a dia e novidades da agenda (em primeira mão).
Sem spam, ok?!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.