“O café de 5 da manhã não tem o mesmo gosto de nenhum dos outros cafés do dia”

E não é só porque acordar de manhã tem algo de mágico...

Um dia eu estava fazendo um atendimento clínico, e, ao perguntar à consulente sobre coisas que lhe faziam sentir prazer, ela me disse: “O café de 5 manhã. Ele não tem o mesmo gosto de nenhum outro café que você faça ao longo do dia”.

Aquilo me tocou em algum lugar, onde ficam as memórias afetivas… logo vieram à consciência os cheiros de alguns cafés sendo “passados” (é assim que se diz na roça) bem cedinho.

Essas memórias de cheiros me levaram às memórias de sons. Na roça, o rádio dos meus avós acompanhava os primeiros afazeres do dia com um sertanejo raiz…

Tem uma certa magia nas manhãs (quem gosta de apreciar o começo do dia sabe como é).

E, pra quem cultiva plantas, então? É uma experiência gratificante ver as plantas “acordando” com os primeiros raios de sol, energizadas pela nutrição da umidade da noite.

Mas não é só esta “magia” que faz o café ter gosto diferente!

 

As luzes também são diferentes no começo do dia. É a #goldenhour tão apreciada na fotografia. Foto: Nat Frutuoso

 

 

As nossas experiências sensoriais podem ser afetadas por fatores externos

 

O começo do dia tem cheiro de orvalho, já reparou nisto?

Se você não reparou, é normal, rs.

O “cheiro do orvalho” é sutil. É resultado da interação da umidade com a terra e a seiva das plantas.

Apesar de orvalho e chuva serem tecnicamente coisas diferentes, seus cheiros podem ser parecidos!

Qualquer nariz mais atento vai reconhecer o cheirinho de terra “exalado” quando chove! Lembra?

Para perceber o cheiro do orvalho, basta aguçar um pouco mais o olfato, já que o aroma do orvalho é mais suave que o aroma de chuva.

 

 

Mas, o que isto tem a ver com o gosto do café de 5 da manhã?

 

A nossa percepção de gosto tem relação direta com os cheiros. Estes dois sentidos têm ligação e isto é importante para a nossa fisiologia.

Imagina se você não sentisse o cheiro de uma comida estragada? Dependeria só da percepção de gosto pra evitar a exposição do organismo a uma possível intoxicação alimentar.

Nosso organismo tem processos inteligentes! O olfato faz parte da alimentação.

Logo, se o cheiro do começo da manhã tem características distintas, isso irá interferir na nossa percepção aromática (e gustativa) do café!

O cheiro do café da manhã sendo passado vai se misturar ao cheiro do orvalho presente no ar.

Pronto, o gosto do café será único!

E é este blend de “café das 5 da manhã” que vai ficar na memória. São estas memórias que são recuperadas pela Farmácia olfativa.

 

 

Olha aí a dona Célia, lá de Montes Claros, torrando café…Neste dia, ela nos ensinou como ela faz a torrefação. Foi muito, mas muito bom rever este saber ancestral e a cooperação existente na roça. Algumas vizinhas de dona Célia cultivavam café, e ela fazia a torra e moagem. No final, elas dividiam o café torrado e moído. Na roça existe uma sabedoria de “antes das máquinas”, que é a da comunidade fortalecida. Ninguém faz tudo sozinho! A união é essencial para a sobrevivência. Foto: Nat Frutuoso (projeto Cerrado ancestral)

 

E essa experiência pode ser terapêutica?

 

Ah, isto depende!

Se você já conhece nossa forma de trabalhar, já deve ter ouvido que não existe uma única receita para todas as pessoas.

Existe uma coisa chamada relógio biológico, que é individual e precisa ser respeitado.

É válido vivenciar a experiência “café das 5 da manhã” e ter suas próprias percepções…

Mas, também é válido lembrar que pessoas “da noite” possivelmente não estarão muito atentas no início da manhã. Talvez os seus sentidos estejam mais sensíveis em outros horários.

Pra quem é do relógio biológico diurno, experimenta e me conta se a experiência foi terapêutica pra você!

 

O Diário da Farmácia natural é uma prática terapêutica não farmacológica – assim como o café de 5 da manhã

 

O orvalho é um fenômeno natural muito importante para manter a fertilidade do solo (principalmente em locais naturalmente secos).

Do mesmo modo, ter pequenas doses de prazer no dia a dia é fundamental para manter a nossa saúde.

Na minha lista de prazeres & práticas não farmacológicas, está anotado em meu Diário da Farmácia natural, “o café das 5 da manhã”. Agradeço à Denise, minha consulente e amiga, que me levou a perceber o quanto esta simples prática é valiosa.

Já deixo aqui uma prática do Diário da Farmácia natural de presente pra você. Escreva e guarde em sua farmácia caseira, pra consultar e aplicar nos momentos de necessidade de cuidados emocionais, e também como prática fortalecedora, no dia a dia:

“Quais são os meus pequenos tesouros?”

 

 


E deixo também um convite muito especial:

Quer vivenciar mais experiências sensoriais & terapêuticas?

Na vivência Farmácia olfativa, você constrói, com o nosso suporte, a sua farmácia caseira das emoções. Esta farmácia, baseada em técnicas de neurociências e aromaterapia científica, é construída a partir de suas próprias memórias & personalidade olfativa.

Saiba mais sobre esta vivência autoral da ÂNIMA clicando aqui (ó, as vagas do primeiro lote estão disponíveis, hein?! Aproveita para reservar seu lugar e começar 2021 com fortalecimento psicoemocional e mais prazer olfativo).

 

 

 

 

 

 

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


se inscreva na newsletter
e receba cartas perfumadas

Newsletter

Eu sou daquelas pessoas que adora escrever uma carta à mão.

Quem já recebeu minhas caixas aromáticas sabe disto.
E na newsletter não podia ser diferente.

Gosto de escrever cartas digitais, pra serem lidas com uma xícara de chá ou café.

É um convite à pausa.

Aqui você vai encontrar cartas de memórias perfumadas, coisas do dia a dia e novidades da agenda (em primeira mão).
Sem spam, ok?!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.